Redes Sociais



Layout desenvolvido por Renata. Tecnologia do Blogger.

Seguidores

Pesquisar este blog

Postagens populares

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Uma matéria interessante

E achei interessante, li todinha.
Vi nela muito do que eu era no passado, antes de decidir ser mãe.
É isso mesmo, decidir, porque nem sempre eu tive esse desejo latente no meu coração.
Tá eu sempre me imaginei grávida, mesmo antes de casar, sempre achei grávidas lindas, mas o que me assustava era o bebê rsrsrsrs.
Eu tinha muitos medos e muitas ambições que em alguns momentos me impediam de pensar em ter filhos. Quando conheci e comecei a namorar o Diego o desejo explícito dele em ter filhos me assustava um pouco. Depois do casamento isso se tornou um assunto freqüente e muitas vezes eu fugia dele.
Por quê? Porque eu queria estudar, viajar me realizar financeira e profissionalmente e acreditava que um filho não me permitiria ser o que eu planejava para o meu futuro. Na época eu tinha muitas ambições e era muito sistemática com relação a elas, queria realizar tudo exatamente como eu sonhava, sem nenhum imprevisto no meio do caminho.
Consegui terminar a faculdade e sempre tive bons empregos, minha vida era relativamente bem estruturada e o medo de engravidar dominava aí de repente me vi as voltas com o Diabetes (descobri depois que casei) e tive mais medo ainda.
Como sou extremamente curiosa, pesquisei muito sobre maternidade em diabéticas e vi que não seria um impedimento, somente inspiraria maiores cuidados médicos.
Passaram-se cinco anos de casada até eu tomar coragem e decidir ser mãe.
Quando isso aconteceu?
Gradativamente... Comecei a ver o brilho no olhar das mães, comecei a prestar mais atenção nas crianças, comecei me imaginar grávida e mãe e um belo dia disse ao Diego: “Quero ter um bebê!”
A resposta dele foi: “Também quero muito, vamos começar a tentar então.”
Aí entrei de cabeça no mundo da maternidade, dos treinos, dos blogs de mamães e treinantes, conheci muita gente, aprendi muita coisa.
Tivemos a imensa sorte de conseguir nosso positivo no primeiro mês de tentativas e eu tinha muito medo de demorar muito tempo porque sou extremamente ansiosa e não sei esperar e eu li muitos relatos de mães que demoraram anos para engravidar, isso me assustava demais.
Nunca vou me esquecer do dia que vi a segunda listra naquele teste de farmácia. A alegria misturada com o medo do novo, o momento da notícia para o Diego (por email, não consegui esperar para dar a notícia em casa).
Minha vida mudou totalmente a partir daquele dia... Vocês sabem bem do que estou falando.
E hoje não sei como esperei tanto, tudo bem, não podia largar faculdade, trabalho e tudo mais para ser mãe, sei que esperei o tempo certo, mas agradeço a Deus por ter colocado esse desejo no meu coração porque ser mãe é maravilhoso.
Respeito a liberdade de cada um, porque Deus nos deu o livre arbítrio que permite que cada um tome as suas decisões de acordo com a sua vida, suas necessidades, enfim...
Mas quando vejo uma mulher falar com rancor que não quer passar noites sem dormir, que não quer abandonar as baladas, as viagens, eu me vejo um pouco nessas declarações e posso dizer como isso se torna insignificante diante de um filho.
Você deixa de sair todo final de semana, de gastar rios de dinheiro com coisas supérfluas (roupas, sapatos, bijuterias, maquiagem, salão de beleza) em nome do filho, deixa de dormir como antes e inúmeras outras coisas que deixa de fazer, mas digo com sinceridade: Nada disso faz falta!
Óbvio que de vez em quando sinto saudade de ir ao cinema, de jantar fora, de sair de casa sem sentir que estou deixando um pedaço do meu coração para trás, mas a alegria de passear e levar a Sarah junto supera tudo isso, amo de paixão sair com ela, me divertir com ela, ver aqueles olhinhos brilhando quando sai com a gente e vê as novidades ao seu redor.
Ser mãe não é fácil, é uma responsabilidade tremenda, é um ser que você coloca no mundo que não pediu pra nascer, então você é totalmente responsável por ele, pelo seu bem estar e desenvolvimento, então digo, não é tarefa fácil, mas é a coisa mais gratificante que já fiz em toda minha vida.
Não há mal humor que resista a uma gargalhada do seu filho, não há tristeza que resista ao toque daquela mãozinha pequenina no seu rosto, chefe, cansaço, trânsito, TPM, tudo some quando estamos ao lado dos nossos tesouros.
Não quero dizer que quem fez opção por não ter filhos seja errado, cada um tem a vida que escolheu e tem direito de fazer essa escolha, mas sei que nenhuma mãe de verdade se arrepende de ter um filho, conheço pessoas que engravidaram por acidente, ficaram chateadas no começo, mas hoje amam tanto os filhos que se arrepiam ao pensar que tiveram o desejo de abortar quando descobriram a gravidez.
Ser mãe é uma coisa tão surreal que é realmente difícil convencer alguém que seja cético em relação à maternidade, é difícil falar de sentimentos, de amor e de um amor tão diferente como o amor pelo filho.
Ver a barriga crescer...
Ver a imagem do teu filho no ultrassom...
Ouvir pela primeira vez o chorinho...
Cuidar, proteger, amar...
Nada disso me cansa!
Eu não enjôo de cuidar da minha filha, lógico que em alguns momentos ela me tira a paciência, não sou de ferro, principalmente quando ela passa o dia chorando ou quando não dorme a noite e eu preciso acordar cedo no outro dia para trabalhar, mas ver aquele serzinho que saiu do meu ventre crescer e se desenvolver sendo amado por todos é muito mais gratificante do que as noites vazias em que eu dormia mais, porém não tinha um sentido maior para viver.
Portanto se você está lendo esse post e tem dúvidas se quer ou não ser mãe, não as tenha, arrisque e volte aqui para me dizer que está vivendo tudo que eu disse e que não se arrepende por um só segundo, eu te garanto que vai ser a melhor e mais especial experiência da sua vida.
Um beijo a todos!
segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Sofrer com o sofrimento dos outros

É incrível como depois que nos tornamos mães as coisas mudam, os sentimentos mudam e a gente passa a se compadecer mais dos outros, a ser mais humana.

Ver uma mãe chorar a dor de um filho dói igual na gente porque imaginamos que poderia ser com o nosso e o coração se arrepia nessa hora e a única vontade que temos é de ajudar, de ser útil de alguma forma.

Tenho a prova disso através de todas as orações que temos recebido, de todo apoio e de toda compaixão e entrega que temos presenciado desde o descobrimento do West nas nossas vidas.

Muitas mães da blogosfera que nem me conhecem pessoalmente se colocaram a disposição para ajudar em qualquer coisa que precisemos, estão ao nosso lado e nos dão tanta força que fazem total diferença entre o meu desespero e a serenidade. Recebi ligações, emails e muitos comentários nos posts, realmente é comovente ver como as mães se compadecem das outras mães que sofrem.

Sinto isso toda vez que vou ao hospital das clínicas com a Sarah. O setor infantil de lá é doloroso demais, vemos crianças com TODOS os tipos de doenças imagináveis e inimagináveis, ficamos sabendo de casos tão complexos que nunca pensei que existissem.

Vejo provas diárias da força que a mulher adquire quando se torna mãe. Mulheres que abrem mão da sua vida para dedicar-se aos filhos que tem problemas graves. Mulheres que lutam até o fim pela vida dos seus rebentos. Vi casos de crianças com câncer que fazem quimioterapia, crianças em cadeiras de rodas que são totalmente felizes, crianças com deformidades físicas graves e que sorriem e brincam pelos corredores do hospital, crianças em estado vegetativo e acima de tudo vejo o amor das mães por elas.

O setor neurológico é um capítulo a parte... Chega a ser desolador.

Como as doenças cerebrais causam seqüelas terríveis... A gente vê de tudo lá, vê casos tão terríveis que ficamos com vergonha de reclamar dos nossos problemas.

Viver o que estou vivendo está sendo uma lição em muitos sentidos, mas principalmente em chorar com o irmão, sofrer com seu sofrimento e agir em nome das pessoas que precisam. Hoje sou plenamente capaz de fazer tudo que estiver ao meu alcance de ser humano por uma mãe que precise ou que esteja passando por uma situação difícil com seu filho.

A tristeza e os problemas sempre existirão em nossa vida, o que vai mandar é a nossa capacidade de aprender com as montanhas que tivermos que transpor.

Toda vez que eu me revoltar com uma coisa pequena, tenho certeza que a imagem daquelas mães que sofrem tanto vão me ajudar a ver uma saída muito mais facilmente.

Ver o sofrimento de um filho faz nosso coração sangrar, não há nada mais doloroso.

Todas as mães que sofrem e choram com os filhos no colo assim como Nossa Senhora das Dores chorou com seu filho Jesus no colo são a partir de agora presença constante nas minhas orações.

Obrigada a todas as mãezinhas que oram por nós, aquelas que fazem correntes de oração pela minha filha, que colocam seu nome nos livros de oração das suas igrejas, que lembram da gente quando estão fazendo seus pedidos ao Pai. Meu muito obrigada de coração e saibam que todas vocês habitam também minhas orações.

Um bju em todas!!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Mamãe!

100_1108

Não, a Sarah não aprendeu ainda a falar mamãe…

Aliás, ela ainda não fala nenhuma palavra, só algumas sílabazinhas inconscientes, mas já é um bom sinal não é?

Porém eu sonho todos os dias com o momento que ela vai olhar nos meus olhos e me chamar de mãe.

Pode parecer coisa boba, mas me faz tanta falta.

E você amiga, valoriza quando seu filho te chama de mãe?

Você retribui?

Nunca deixe de dar valor, porque dói demais a espera que não acaba nunca, a espera do dia em que ela vai aprender a me chamar de mãe.

Tenho que ter paciência, ter fé, esperar o tempo dela sem nunca deixar de ter certeza que essa hora vai chegar, mas de vez em quando dói muito perceber os atrasos dela.

Agora depois que fez um ano eu tenho que explicar o tempo todo porque ela não anda, não fica em pé, não engatinha, não fala. As pessoas perguntam e muitas vezes eu tenho que contar a história toda e isso me machuca tanto, não sei se vocês me entendem?

Eu enxergo todas as evoluções dela que são muitas, sei de toda a dificuldade que é pra ela aprender cada coisinha nova, sei como seu cérebro tem que lutar pra evoluir.

Mas vou ser a mulher mais feliz do mundo o dia que a pessoa que mudou pra sempre a minha vida, me reconhecer como MÃE!

Mais uma vez, valorize cada ganho, cada aprendizado, cada palavrinha nova, cada gesto, cada momento, eles são únicos na vida dos nossos filhos.

A única graça que peço a Deus nesse momento é que olhe pela minha filha, meu tesouro, minha preciosidade e permita que ela seja FELIZ!

Bjus amigas, até mais com um post mais animadinho né? rsrsrsrs.

sábado, 13 de agosto de 2011

Sobre a retomada do desenvolvimento

IMG_0038

Oi gentem tudo bem com vocês?

Casos idiopáticos da Síndrome de West como é o caso da Sarah, tem uma evolução característica que é: Controle das crises de espasmos, melhora significativa do eletroencefalograma e por fim retomada do desenvolvimento neuro-psico-motor. Com ela aconteceu exatamente assim, dentro de 48 horas após o início da medicação para controle das crises ela não teve mais espasmos, depois de aproximadamente dois meses do fim das crises o eletro começou a ter melhora progressiva até o último que apresentou atividade de base normal e agora desde o seu aniversário de um ano que a gente vem notando uma melhora muito grande no seu desenvolvimento a ponto de dizermos que ela retomou o desenvolvimento de onde parou.

Atualmente ela está muito mais esperta e atenta às novidades ao seu redor, presta muito mais atenção quando está em ambientes que não a nossa casa, voltou a brincar ativamente, ou seja, pega os brinquedos por vontade própria, brinquedos com sons e luzes voltaram a chamar sua atenção.

Quase não ri mais sem motivo, agora seus sorrisos são todos direcionados, ou para nós, ou por causa das brincadeiras, ou por causa de algo que chamou sua atenção, não ri mais para a mãozinha.

Aliás, diminuiu muito a mania de olhar para a mão, não perdeu ainda totalmente, mas a diminuição é notável e todo mundo comenta.

Interage mais com a gente e fica muito alegre quando eu e o Diego chegamos do trabalho.

Já começou a se arrastar pra frente, não digo que está engatinhando porque ela se arrasta, não engatinha.

Quando colocamos no andador já sai do lugar, vai para trás e para os lados, ainda não aprendeu ir pra frente, mas não fica mais chorando no andador, se esforça pra sair do lugar.

Está quase sentando sozinha novamente, já se sustenta por alguns segundos, mas ainda cai para os lados. Porém uma coisa que ela desenvolveu foi a capacidade de se apoiar com as mãos quando percebe que vai cair.

Voltou a amar de paixão o controle da televisão, não pode ver que pega, coloca na boca, joga no chão.

Não para quieta! Fala o tempo todo, resmunga, emite sonzinhos, não fica mais calada. A gente percebe que ela está se esforçando pra falar, mas ainda não consegue e em alguns momentos chega a ficar nervosa com isso.

Voltou a prestar atenção na televisão, adora a abertura da novela Morde e Assopra, fica vidrada quando a musiquinha começa.

Adora brincar no tapete da sala com o meu pai, rola pra lá, rola pra cá, chuta ele, pega os óculos, puxa o cabelo e ele todo bobo beija e abraça o tempo todo, é a coisa mais linda a cumplicidade dos dois.

Não pode ver minha mãe por perto que se assanha todinha pra ir para o colo dela, faz a maior farra, bate os bracinhos e as perninhas, grita e enquanto ela não a pega no colo ela não para.

Voltou a fazer besourinho e cospe para todos os lados, é uma beleza, faz besourinho mamando, comendo e molha a roupa todinha.

Só tem os dois dentinhos de baixo, mas está num desespero frenético de morder as coisas, deve ter mais dente por aí.

Voltou a comer super bem novamente graças a Deus, e voltou a ganhar peso. Dia 08/07 teve consulta de rotina com o pediatra e ele constatou que ela engordou quase 300 gramas e cresceu três centímetros desde a última consulta.

Voltou a pegar o lenço, a fralda, a pomada sempre que estamos trocando, voltou a gostar do barulhinho do pacote do lenço.

Voltou a ter a iniciativa de pegar os brinquedos que colocamos na bandeja do carrinho dela, não sossega enquanto não consegue pegar.

Cada novidadezinha dela é imensamente comemorada lá em casa e as mudanças e evoluções voltaram a acontecer o que me tranqüiliza demais.

Aproveitando o post e o dia dos pais que é amanhã, não podia deixar de falar sobre o Diego e como ele é um pai maravilhoso para a Sarah. Um pai presente, que troca fralda, dá o remédio, dá banho, brinca, se preocupa. Sou imensamente feliz pelo esposo que Deus me deu, que é o pai que eu sempre sonhei para os meus filhos.

Feliz dia dos pais e tenha a certeza que a Sarah vai te amar incondicionalmente porque você é o melhor pai do mundo para ela. Nós te amamos, pra sempre!

IMG_0047

Tocando o violão do Papai

E com vocês, como anda o ritmo de desenvolvimento dos pequenos? Vocês acham que está tudo normal ou tem alguém com a pulga atrás da orelha? rsrsrsrs.

Um beijo em todas!

sábado, 6 de agosto de 2011

Votem na Sarah!

Oi gente tudo bem?

Hoje meu post é diferente, é um pedido, para que votem na Sarah, estamos concorrendo em um blog num concurso de melhor fotografia e queria pedir que vocês votassem na foto da minha pequena!

São várias fotos lindas e ela está entre as finalistas.

O link é esse aqui ó: http://www.laudianelira.com/blog/?p=4620#disqus_thread

O número dela é 49!

Estamos concorrendo com essa foto aqui:


Obrigada lindas do meu coração e se puderem divulgar agradecemos!
Mil beijos e até breve com novidades!!!

Marcadores

síndrome de west (24) desenvolvimento (15) diabetes (6) gravidez (6) novidades (6) atualizações (5) desabafo (5) maternidade (5) atraso no desenvolvimento (4) book gestante (4) consulta pediatra (4) contagem regressiva (4) festa de um ano (4) gravidez e diabetes (4) segundo filho (4) Ano Novo (3) Apae (3) Dia das Mães (3) amamentação (3) chá de bebê (3) criança especial (3) fotografia (3) gripe (3) grávida (3) internação (3) mãe (3) sobre a mamãe (3) 21 semanas (2) 24 semanas de gestação (2) 4 anos (2) 4 meses (2) De Deus um anjo (2) Epilepsia (2) Novo layout (2) Obstetra (2) US morfológica (2) atualidades (2) cardiologista (2) controle glicemia (2) crise de epilepsia (2) demissão (2) escolinha (2) evoluções (2) fotolivro (2) grávida diabética (2) hipoglicemia (2) milagres (2) novo projeto (2) outros assuntos (2) primeira US (2) refluxo (2) selinho (2) sorriso (2) sorteio (2) tipos de parto (2) viagem (2) vivendo e aprendendo (2) volta ao trabalho (2) #protestomaterno (1) 1 ano (1) 11 dias (1) 11 meses (1) 12 dias (1) 12 semanas (1) 14 semanas de gestação (1) 17 semanas (1) 18 semanas (1) 19 semanas (1) 2 anos (1) 2 dias (1) 23 semanas (1) 28 semanas (1) 29 semanas de gravidez (1) 3 anos (1) 3 meses (1) 30 semanas gestação (1) 31 semanas de gestação (1) 33 semanas de gestação (1) 34 semanas (1) 35 semanas (1) 4 dias (1) 6 dias (1) 7 dias (1) 9 meses (1) 9 semanas gestação (1) Alta (1) Blogagem Coletiva (1) Constatações (1) Crianças Especiais (1) Deus (1) H1N1 vacina (1) News (1) O positivo (1) Onze meses (1) Relato de parto (1) Sarah (1) Saudades (1) Special Kids (1) Testado pela Mamãe (1) Theo (1) UTI Neo-natal (1) aborto (1) agradecimentos (1) alimentação (1) amor incondicional (1) assentos reservados (1) boas novas (1) caminhando (1) cesárea (1) cinco meses (1) como tudo começou (1) comprimidos hipoglicemiantes (1) concurso (1) convênio (1) crise gelástica (1) cólicas (1) data do parto (1) decisão sobre o parto (1) decoração (1) depressão (1) dia dos pais (1) diabetes tipo I (1) doencinhas infantis (1) dois meses (1) dor ciático (1) dor na perna esquerda (1) ecocardiograma (1) educação (1) entrevista de emprego (1) entrevista istoé (1) espasmos infantis (1) estresse (1) exames de sangue (1) expectativas (1) falando (1) felicidade (1) fraqueza (1) futuro (1) gentileza (1) gravidez em diabéticas (1) hemoglobina glicada (1) icterícia (1) infecção urinária. exame de toque (1) insulina (1) licença maternidade (1) livro da Sarah (1) luto (1) manifestações (1) medicação (1) milagre (1) nervo ciático (1) não é só por 20 centavos (1) papai Diego (1) papinhas (1) parto normal (1) polêmica da mãe vaca (1) pronto socorro (1) protestos em SP (1) protestos no Brasil (1) rapidinhas (1) refletindo (1) rotina (1) segundo trimestre gestação (1) selinhos (1) sensibilidade (1) sentimentos maternos (1) sexto sentido (1) suco (1) terceiro trimestre (1) tipos de diabetes (1) trabalho (1) ultrassom (1) ultrassom obstétrico (1) um ano (1) um mês (1) vacina (1) É amanhã (1)