Redes Sociais



Layout desenvolvido por Renata. Tecnologia do Blogger.

Seguidores

Pesquisar este blog

Postagens populares

sábado, 2 de julho de 2011

Ter filhos é opcional, mas a responsabilidade ao concebê-los é obrigatória

 

IMG_2814

Um dia desses estive lendo uma matéria em um portal de grande repercussão na internet. A reportagem noticiava que um país europeu considerado desenvolvido e de primeiro mundo estava sendo acusado por um grupo de pais que os exames que eram realizados para comprovar que um bebê tem síndrome de down ainda na barriga da mãe, induziam ao aborto de tais crianças. Mas a pior parte disso tudo é que esse aborto disfarçado de exame era sem o consentimento dos pais.

A matéria por si só já é terrível, mas pior ainda foram os comentários que li logo abaixo.

Vivemos numa democracia, onde a liberdade de expressão deve ser respeitada, mas sinto muito, alguns comentários me soaram piores do que atitudes de animais. Vi pessoas dizerem que isso é a lei da natureza, que entre os animais ditos irracionais é normal a mãe comer o filhote que nasce defeituoso!!! Vocês acreditam nisso? Tem gente que acha normal abortar uma criança porque tem alguma deficiência. Outros dizem que a criança nasceu assim para castigar os pais de algo que fizeram em vidas passadas. Respeito todas as religiões, mas não acredito nesse Deus maldoso que castiga um inocente pra vingar outra pessoa, desculpem-me, mas é só a minha opinião. Outros dizem que os pais de crianças assim são como se fossem santos, receberam uma criança especial porque vão suportar carregar essa cruz.

Não acredito em nenhuma dessas justificativas que a gente ouve por aí toda hora. Sei que todo sofrimento que temos na vida, somos capazes de superar, mas não acho que Deus envie uma criança especial a uma família para punir alguém, que crie um ser humano deficiente porque alguém precisa mudar, não acredito nisso de forma alguma. Da mesma forma que não acredito que pais de crianças especiais são melhores ou piores que os outros, são simplesmente iguais, assim como as crianças filhas destes também são iguais. Digo isso porque qualquer pai de criança saudável ou não fará tudo que estiver ao seu alcance para ajudar o filho seja em qual circunstância for. A única diferença é que quando recebemos um diagnóstico desses na família a gente passa a ficar ávido por informações a respeito, por conhecer pessoas que passaram ou passam pelo mesmo que a gente para ter com quem compartilhar informações, nos apegamos ao que acreditamos para encontrar respostas para as perguntas que temos e que talvez nunca tenham resposta.

O jeito com que eu estou falando pode parecer rude, grosseiro, mas não é a minha intenção. Estou apenas expressando minha indignação com pessoas que estão do alto do seu mundo perfeito julgando e determinando quem deve sobreviver ou não, quem será feliz ou não, que acham que só porque se tem alguma diferença isso é sentença de infelicidade. Porque uma criança nasce com alguma imperfeição (de qualquer natureza, psicológica, neurológica, física) vá ser fatalmente infeliz e fazer sua família infeliz e que deve ser morta antes mesmo de nascer.

Ter filhos é uma opção pessoal de cada um, mas a partir do momento em que se decide ter um filho, deve-se assumir a responsabilidade de receber uma criança perfeita ou não. Na minha humilde opinião, todos os problemas de saúde que temos no mundo foram e são causados pelo homem. Pelas coisas erradas que fazem, pelas modificações no meio ambiente, produtos químicos, experiências fracassadas, vontade de ser Deus e as pessoas inocentes acabam pagando pelos erros alheios, não acredito que Deus intencionalmente castigue alguém ou alguma família, não creio nesse Deus castigador, creio num Deus que é misericórdia.

Então você que quer ser mãe entenda, você tem chances de gerar uma criança com deficiência, mesmo que isso nunca tenha ocorrido na sua família, você e seu esposo sejam perfeitamente saudáveis e tenham compatibilidade sanguínea e essa criança desde quando ela for apenas um projeto na sua cabeça é SUA RESPONSABILIDADE, não gere alguém na intenção de matá-la se ela não for perfeita. Se isso pelo menos passar pela sua cabeça, não engravide, não gere alguém, não condene um inocente a morte.

Tenho uma filha especial, hoje tenho plena consciência disso. Já neguei essa condição, já chorei, já questionei o porquê, já tive peso na consciência de tê-la colocado no mundo para sofrer, já pensei em não ter mais filhos para cuidar exclusivamente dela, já pensei um monte de besteira, mas hoje entendi que eu não posso determinar nada, que ela foi enviada a mim dessa forma, mas eu também sou imperfeita, eu tenho uma doença que vai me acompanhar pelo resto da vida, uma doença que me faz ter que tomar insulina diariamente para sobreviver e não quero morrer, amo minha vida, me trato porque quero viver muito e agradeço meus pais pela vida que me deram, então porque a Sarah há de não ser feliz se todos lutamos pela sua vida e pela sua felicidade, se só consigo sentir amor quando olho pra ela, que a vejo sorrir e gargalhar quando está conosco, será que ela é infeliz?

O problema da sociedade é que existe um ideal de perfeição falso na cabeça da maioria. A pessoa deve ser bonita, inteligente, ter um bom emprego, salário alto, bens materiais senão está condenado a ser infeliz por toda vida. Digo por conhecimento de causa, existem milionários que dariam a vida pelo amor que se encontra em barracos de favela. Não que eu queira dizer que ricos são tristes e pobres felizes, pois isso não é assim, há momentos em que a falta de recurso entristece, assim como há momentos em que a sobra dele não resolve nada. Doença é algo democrático, não escolhe cor, raça, religião, condição social, vem a todos.

A Sarah não é um fardo na minha vida, não é uma tristeza, nem uma cruz, pelo contrário é a alegria dos meus dias, é o maior amor que eu já senti e mesmo que ainda grávida eu descobrisse que ia passar por tudo isso, nem por um instante passaria pela minha cabeça tirá-la a vida, mesmo que soubesse que ela estaria sentenciada a morte ao nascer, mesmo assim ela viveria os minutos que Deus determinasse, porque os filhos não são dos pais, são confiados aos pais por Deus, a vida é Dele, somente Ele pode dizer quando ela deve acabar.

Isso é apenas mais um desabafo, depois de passar a conviver com a discriminação e o preconceito na minha própria vida.

Existem muitos anjos ao nosso redor, mas mesmo assim tenho consciência que as lutas serão muitas, mas nunca vou assistir de braços cruzados esse tipo de atitude.

Não levem a mau o que escrevi, não é para magoar ou chatear ninguém, é apenas para expressar minha opinião sobre esses assuntos.

Um beijo em todos e reflita sobre esse assunto, ele é muito sério.

3 comentários:

Ju Silva Alves Marchioro disse...

Me senti ao seu lado escrevendo, compartilho da mesma opinião que você, não somos donos da vida isso pertence somente a nosso Pai Celestial, já admirava sua força, sua guarra ao lidar com o problema de saúde da Sarinha, mas hoje nasceu um carinho muito especial vi em você a mesma mãe que um dia eu quero ser, a Sara tem muita sorte por ter vindo a esse mundo como filha de quem é. Que Deus proteja demias sua vida, e tenha certeza que a Sara te dará MUITAS alegrias. Beijinhos

Leila Moraes disse...

Renata, também compartilho da mesma opinião que você e não tenho dúvidas de que filhos são herança de Deus, e nossa missão é cuidar dessas preciosidades que Ele mesmo nos confiou. Você é uma mãe muito especial e Deus TE escolheu para ser mamãe dessa princesinha.
Adorei as fotinhos so post abaixo. Que Deus continue abençoando essa família tão linda, dando sempre muita saúde e muitas felicidades!
Beijos e ótima semana para vcs! Leila

Keka disse...

Concordo amiga, as pessoas tendem a definir o que é normal e o que o não é normal, a padronizar as coisas e isso é completamente errado. Adorei o post, mesmo que desabafo hehe

Marcadores

síndrome de west (24) desenvolvimento (15) diabetes (6) gravidez (6) novidades (6) atualizações (5) desabafo (5) maternidade (5) atraso no desenvolvimento (4) book gestante (4) consulta pediatra (4) contagem regressiva (4) festa de um ano (4) gravidez e diabetes (4) segundo filho (4) Ano Novo (3) Apae (3) Dia das Mães (3) amamentação (3) chá de bebê (3) criança especial (3) fotografia (3) gripe (3) grávida (3) internação (3) mãe (3) sobre a mamãe (3) 21 semanas (2) 24 semanas de gestação (2) 4 anos (2) 4 meses (2) De Deus um anjo (2) Epilepsia (2) Novo layout (2) Obstetra (2) US morfológica (2) atualidades (2) cardiologista (2) controle glicemia (2) crise de epilepsia (2) demissão (2) escolinha (2) evoluções (2) fotolivro (2) grávida diabética (2) hipoglicemia (2) milagres (2) novo projeto (2) outros assuntos (2) primeira US (2) refluxo (2) selinho (2) sorriso (2) sorteio (2) tipos de parto (2) viagem (2) vivendo e aprendendo (2) volta ao trabalho (2) #protestomaterno (1) 1 ano (1) 11 dias (1) 11 meses (1) 12 dias (1) 12 semanas (1) 14 semanas de gestação (1) 17 semanas (1) 18 semanas (1) 19 semanas (1) 2 anos (1) 2 dias (1) 23 semanas (1) 28 semanas (1) 29 semanas de gravidez (1) 3 anos (1) 3 meses (1) 30 semanas gestação (1) 31 semanas de gestação (1) 33 semanas de gestação (1) 34 semanas (1) 35 semanas (1) 4 dias (1) 6 dias (1) 7 dias (1) 9 meses (1) 9 semanas gestação (1) Alta (1) Blogagem Coletiva (1) Constatações (1) Crianças Especiais (1) Deus (1) H1N1 vacina (1) News (1) O positivo (1) Onze meses (1) Relato de parto (1) Sarah (1) Saudades (1) Special Kids (1) Testado pela Mamãe (1) Theo (1) UTI Neo-natal (1) aborto (1) agradecimentos (1) alimentação (1) amor incondicional (1) assentos reservados (1) boas novas (1) caminhando (1) cesárea (1) cinco meses (1) como tudo começou (1) comprimidos hipoglicemiantes (1) concurso (1) convênio (1) crise gelástica (1) cólicas (1) data do parto (1) decisão sobre o parto (1) decoração (1) depressão (1) dia dos pais (1) diabetes tipo I (1) doencinhas infantis (1) dois meses (1) dor ciático (1) dor na perna esquerda (1) ecocardiograma (1) educação (1) entrevista de emprego (1) entrevista istoé (1) espasmos infantis (1) estresse (1) exames de sangue (1) expectativas (1) falando (1) felicidade (1) fraqueza (1) futuro (1) gentileza (1) gravidez em diabéticas (1) hemoglobina glicada (1) icterícia (1) infecção urinária. exame de toque (1) insulina (1) licença maternidade (1) livro da Sarah (1) luto (1) manifestações (1) medicação (1) milagre (1) nervo ciático (1) não é só por 20 centavos (1) papai Diego (1) papinhas (1) parto normal (1) polêmica da mãe vaca (1) pronto socorro (1) protestos em SP (1) protestos no Brasil (1) rapidinhas (1) refletindo (1) rotina (1) segundo trimestre gestação (1) selinhos (1) sensibilidade (1) sentimentos maternos (1) sexto sentido (1) suco (1) terceiro trimestre (1) tipos de diabetes (1) trabalho (1) ultrassom (1) ultrassom obstétrico (1) um ano (1) um mês (1) vacina (1) É amanhã (1)